sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Imposto a custo zero para banca !




Banca: imposto extraordinário de....0,01% a 0,05% !!



O primeiro-ministro, José Sócrates, já tinha avisado que iria ser criada uma taxa sobre os bancos e a proposta de Orçamento de Estado para 2011 vem agora confirmar aquilo que o Executivo designa como contribuição extraordinária: um novo imposto resultante da aplicação de uma taxa entre 0,01% e 0,05% sobre o seu passivo, depois de deduzido o valor dos fundos próprios de base e complementares e de subtraído o montante dos depósitos abrangidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos. As receitas vão ajudar a reduzir o défice público.





Imposto a custo zero para a banca!



Este novo imposto renderá ao Estado mais de 100 milhões. Quem paga? Os clientes claro! São os próprios bancos que o garantem.


O presidente da Caixa Geral de Depósitos, Faria de Oliveira, já tinha avisado que serão os clientes a pagá-lo.


Explicação:

"As variações no custo do funding repercutem-se mais tarde ou mais cedo no custo do crédito", admite António de Sousa, presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB).
A expressão de "funding" aqui é só para baralhar, trata-se simplesmente do financiamento.

Em vez dos clientes, deveriam ser os accionistas a pagar.



Esta medida não passa de uma medida simbólica para nos dizerem que a banca também paga a crise. A confirmarem-se os valores máximos, o imposto representará um aumento de 20% (que não o vai pagar, mas sim os clientes) em relação à carga fiscal da banca em 2009 (529 milhões de euros), ultrapassando o IRC total pago pelos bancos (74 milhões de euros). Mas não esquecer que a banca em Portugal o valor real de impostos pagos pela banca é de 4,3%, quando valor do IRC + derrama pagos pelas empresas é de 26,5% !


3 comentários:

  1. Gostava de saber quais as medidas mais importantes, na tua opinião, que deveriam ser tomadas para sair da crise, não temporariamente mas definitivamente.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Não sendo a pessoa indicada para responder a essa pergunta, aqui ficam algumas sugestões, apenas no sector financeiro:

    - Aumento progressivo do imposto efectivo pago pela banca,
    - Taxa sobre as mais vailias das SGPS,
    - Taxa sobre as transferências para as offshores,
    - Aumento da tributação financeira sobre as mais valias mobiliárias,
    - Aumento progressivo do prazo de isenção de tributação das mais valias mobiliárias,
    - Revisão dos contractos e diminuição das PPP,
    - Revogar o artigo 123 do Tratado de Lisboa, em que os estados membros da União Europeia não podem recorrer ao Banco Central Europeu (BCE) para contrair dívidas, têm de o fazer através dos bancos privados. Ora estes cobram 3% de juros, enquanto os bancos privados podem contrair empréstimos junto do BCE com uma taxa de juros de 0,5 a 1%,
    - Equacionar o fim dos objectivos ditados pelo Tratado de Maastricht de 3% do PIB para o défice e 60% do PIB para a divida que não têm qualquer fundamento económico,
    - Equacionar a saída do Euro.

    ResponderEliminar