sábado, 9 de Janeiro de 2010

Gripe A: Corrupção na OMS.




O chamado "Dr. gripe", o professor Albert Osterhaus, é o principal conselheiro da Organização Mundial de Saúde (OMS). Desde há muitos anos que prevê a eminência de uma pandemia de gripe.

Na Holandia, está sujeito a um inquérito parlamentar pelas sua ligações com os fabricantes de vacinas.

Neste texto, Willam Engdhal, relata como foi possível um perito da OMS conseguir manipular a opinião pública internacional, exagerar o impacto da gripe A e fazer a fortuna dos laboratório farmacêutico que lhe pagam.

Não ouviu falar desta notícia? É normal, a manipulação dos média não permite a sua ampla divulgação...



Um perito sui generis na OMS.


Durante o decurso deste ano, o parlamento da Holanda manteve suspeitas sobre o famoso Dr. Osterhaus e iniciou uma investigação por conflito de interesses e má administração. Fora da Holanda e da comunicação social dessa nação, só umas poucas linhas foram publicadas na respeitável revista britânica Science, mencionando a sensacional investigação sobre os negócios do Dr.Osterhaus.


Formado em medicina veterinária, desde muito cedo, Albert Osterhaus destacou-se na imunobiologia, até ser convidado pela OMS para fazer parte das investigações da SRA (Sindrome Respiratório Agudo) em Hong Kong.

Não se questionavam, nem as referências de Osterhaus, nem os seus conhecimentos da sua especialidade. O que se põe em causa. como assinalava num simples comunicado a revista Science, é a independência da sua opinião pessoal no tocante à pandemia da gripe A. Referindo-se ao Dr.Osterhaus, a revista Science publicava as seguintes linhas na sua edição de 18 de Outubro de 2009:
«Na Holanda, durante os últimos seis meses, era difícil abrir a televisão sem ver aparecer o célebre caçador de vírus Albert Osterhaus e ouvi-lo falar da pandemia da gripe A. Pelo menos, era isso que se promovia. Osterhaus era o Senhor Gripe, o director de um laboratório, internacionalmente conhecido, no Centro Médico da Universidade Erasmo de Roterdão. Todavia, a sua reputação decaiu rapidamente a semana passada, quando surgiu a referência a uma série de suspeitas sobre o seu desejo de incentivar o temor sobre a pandemia, afim de favorecer os interesses do seu próprio laboratório na elaboração de novas vacinas. No momento em que a Science era impressa, a Segunda Câmara do Parlamento da Holanda anunciava também que o assunto será objecto de um debate urgente.»

Primeiro a Síndroma Respiratório Agudo Severo.
Albert Osterhaus não é um indivíduo qualquer. Trata-se de um cientista que desempenhou um papel nas grande ondas de pânico que se desencadearam devido à aparição de vírus, desde as mortes misteriosas imputadas à SRAS (Síndroma Respiratório Agudo Severo) em Hong-Kong, onde a actual directora geral da OMS, Margaret Chan, promoveu a sua carreira como responsável da saúde pública a nível local.
Albert Osterhaus está em todas as gripes!
Posteriormente, quando se deixou de falar dos casos de SRAS, Osterhaus dedicou-se a outra coisa, à tarefa de dar envergadura mediática aos perigos daquilo que ele chamava a gripe aviária H5N1. Em 1997, já havia tocado o alarme depois da morte, em Hong-Kong, de uma criança de 3 anos que Osterhaus sabia que tinha estado em contacto com pássaros. Osterhaus desenvolveu o seu trabalho de intriguista na Holanda e em toda a Europa, afirmando que uma nova mutação letal da gripe se havia transmitido aos humanos e que era necessário tomarem-se medidas drásticas. Afirmava ainda que ele era o primeiro cientista em todo o mundo a demonstrar que o vírus H5N1 podia contaminar os seres humanos.

Referindo-se ao perigo que representava a gripe aviária, Osterhaus declarava, numa entrevista que transmitiu a BBC em Outubro de 2005, que: «se o vírus conseguia efectivamente mutar-se de tal forma a poder transmitir-se entre os humanos, estaríamos perante uma situação completamente diferente. Poderíamos estar no princípio de pandemia». E acrescentava: «existe o risco verdadeiro de que as aves disseminem o vírus por toda a Europa. É um risco real que, no entanto, ninguém pôde avaliar até agora, porque não realizámos experiências»

O vírus nunca chegou a mutar-se, todavia Osterhaus estava disposto a «realizar experiências» que seguramente trariam generosas gratificações. Para sustentar o seu cenário alarmante de pandemia e conferir-lhe certa legitimidade científica, Osterhaus e os seus ajudantes de Roterdão, começaram a recolher e a congelar amostras de excrementos de pássaros. Osterhaus afirmou que, segundo os períodos do ano, todas as aves na Europa, até 30%, eram portadoras do mortífero vírus da gripe aviária H5N1. Afirmou também que as pessoas em contacto com galinhas e frangos estavam, portanto, expostas ao vírus.


Uma gripe aviària que nunca existiu.
Osterhaus sustentava a tese de que as aves migratórias seriam capazes de trazer para ocidente o novo vírus mortal, até a regiões tão distantes [da Ásia] como a Ucrânia e a Ilha de Rugen. Ele só precisava de fingir que não sabia que as aves não emigram do este para oeste mas sim do norte para sul.

Para Osterhaus, os dejectos das aves propagavam o vírus ao cair sobre a população e sobre as demais aves em terra. Sustentava firmemente a sua convicção de que aqueles dejectos eram o vector que propagava a nascença mortal do vírus H5N1 a partir da Ásia.

A crescente acumulação de amostras congeladas de dejectos de aves que Osterhaus e os seus associados tinham reunido e conservado no instituto apresentava, sem dúvida, um problema. Nem uma única amostra daquelas conservadas permitiu confirmar a presença do vírus H5N1.
Em 2006, por ocasião do congresso da OIE (Organização Internacional de Epizootias), actualmente denominada Organização Mundial de Saúde Animal, Osterhaus e os seus colegas da Universidade Erasmo de Roterdão, não tiveram mais remédio do que admitir que ao analisar as 100.000 amostras de matérias fecais que tão cuidadosamente haviam conservado, não tinham encontrado a menor prova do vírus H5N1.

Ao comprovar que a gripe aviária não provocava nenhuma vaga de mortes - e depois das companhias Roche, que fabrica o Tamiflu, e a GlaxoSmithKline, que fabrica o Relenza, registarem lucros ascendentes de milhares de milhões de dólares quando os governos decidiram armazenar reservas de vacinas anti-virais cuja eficácia é objecto de polémica - Osterhaus, e os demais conselheiros da OMS, viraram os olhos para campos mais férteis.


Mais uma gripe, desta vez é que é!
Em Abril de 2009, parecia que a sua busca fortificava quando em La Gloria, um pequeno povoado no Estado mexicano de Veracruz, se diagnosticou um caso de um garoto portador da gripe então chamada «suína» ou H1N1. Com uma pressa totalmente fora do habitual, o aparelho propagandístico da Organização Mundial da Saúde, arrancou com todas as suas forças com declarações da sua directora geral, a drª Margaret Chan, sobre a possível ameaça de uma pandemia mundial.

Aparecia finalmente a tão esperada pandemia, aquela que o próprio Osterhaus vinha predizendo desde 2003, quando participou sobre o SRAS na província chinesa de Guandgong.

Em 11 de Janeiro de 2009, Margaret Chan anunciava que a propagação do vírus H1N1 havia alcançado o nível 6 de «urgência pandémica».
Curiosamente, a senhora Chan anunciava nessa mesma comunicação que: «segundo as informações disponíveis até hoje, uma esmagadora maioria de doentes apresenta sintomas benignos, o seu restabelecimento é rápido e total, na maioria dos casos sem recorrer a qualquer tratamento médico». E acrescentava depois: «A nível mundial a quantidade de mortes é pouco importante, não se espera um incremento brusco e espectacular da quantidade de casos graves e mortais».

Posteriormente, veio a saber-se que a senhora Chan tinha actuado dessa forma em consequência dos acalorados debates no seio da OMS, seguindo os conselhos do Grupo Estratégico de Consulta da OMS (SAGE, siglas correspondentes a "Strategic Advisory Group of Experts"). Um dos membros do SAGE, naquele momento e ainda agora, é o nosso «Senhor Gripe», o Doutor Albert Osterhaus.

A indústria farmacêutica comanda as decisões da OMS.

Osterhaus não só ocupava uma posição estratégica para recomendar à OMS que declare a «urgência pandémica» e para incitar ao pânico, como também era ainda o presidente de uma organização que se encontra na primeira linha no tocante a esse tema.
Trata-se do Grupo Europeu de Trabalho Científico sobre a Gripe (ESWI, siglas correspondentes a "European Scientific Working Group on Influenza), que se define como um «grupo multidisciplinar de líderes de opinião sobre a gripe, cujo objectivo é lutar contra as repercussões de epidemia ou de pandemia gripais».
Como os seus próprios membros explicam, o ESW é - sob a direcção de Osterhaus - o eixo central «entre a OMS, em Genebra, o Instituto Robert Koch em Berlim e a Universidade de Connecticut nos Estados Unidos».O mais significativo a respeito do ESWI é que o seu trabalho é inteiramente financiado pelos mesmos laboratórios farmacêuticos que ganham milhares de milhões graças à urgência pandémica, enquanto que os anúncios que fez a OMS obrigam aos governos do mundo inteiro a comprar e armazenar vacinas.
O ESWI recebe financiamentos provenientes dos laboratórios e distribuidores de vacinas contra o H1N1, como Baxter Vaccins, Medimmune, GlaxoSmithKline, Sanofi Pasteur e outros, entre os quais se encontra Novartis, que produz a vacina, e o distribuidor do Tamiflu, Hofmann La Roche.

Para manter essa vantagem, Albert Osterhaus, o virólogo mais importante do mundo, conselheiro oficial dos governos inglês e holandês sobre o vírus H1N1 e chefe do Departamento de Virologia do Centro Médico da Universidade Erasmo de Roterdão, fazia parte da elite da OMS reunida no grupo SAGE, ao mesmo tempo que presidia ao ESWI, apadrinhado pela indústria farmacêutica. Por sua vez, o ESWI recomendou medidas extraordinárias para vacinar o mundo inteiro, considerando como elevado o risco de uma nova pandemia que, segundo diziam com insistência, podia ser comparável à aterradora gripe espanhola de 1918.


Um único objectivo: o lucro.
O banco JP Morgan, presente em Wall Street, estimava que, principalmente graças ao alerta de pandemia declarado pela OMS, os grandes industriais farmacêuticos, que também financiavam o trabalho do ESWI de Osterhaus, podiam acumular entre 7.500 milhões e 10.000 milhões de dólares de lucro.
Por sua vez, o dr. Frederick Hayden é membro do SAGE, na OMS, e do Wellcome Trust, em Londres. É também um dos amigos mais chegados de Osterhaus. Por serviços «de consulta», Hayden recebe, além disso, fundos da Roche e da GlaxoSmithKline, de ente outros gigantes farmacêuticos que participam no fabrico de produtos ligados à crise do H1N1,

Outro cientista britânico, o professor David Salisbury, que depende do ministério britânico de saúde, encontra-se à cabeça do SAGE na OMS e dirige, além disso, o Grupo de Consulta sobre o H1N1 na OMS. Salisbury é também um ardente defensor da indústria farmacêutica.
No Reino Unido, o grupo de defesa da saúde "One Clic" acusou-o de silenciar a comprovada relação entre as vacinas e o crescimento do autismo entre as crianças, assim como a relação entre a vacina Gardasil e os diferentes casos de paralisia, incluindo mortes



Outro membro da OMS, que também manteve estreitos vínculos financeiros com os fabricantes de vacinas que beneficiam das recomendações do SAGE, é o Doutor Arnold Monto, consultor remunerado pelos fabricantes de Medimunne, Glaxo e ViroPharma.
Pior ainda, nas reuniões de cientistas «independentes» que organiza o SAGE, participam «observadores», e, entre os que se encontram - por incrível que possa parecer - estão os mesmos produtores de vacinas, GlaxoSmithKline, Novartis, Baxter e companhia. Entretanto, impõe-se a seguinte pergunta: Se supõe que o SAGE é composto pelos melhores peritos da gripe do mundo inteiro, por que é que convidam os fabricantes de vacinas a participar nas suas reuniões?

OMS financiada pela indústria farmacêutica.
Diz-se que a OMS é fianaciada pelos países que a compõe, mas em vez de receber fundos provenientes apenas dos governos dos países membros da ONU, como estava previsto no princípio, a OMS recebe actualmente das empresas privadas cerca do dobro do orçamento que habitualmente lhe estabelece a ONU, sob a forma de bolsas e ajudas financeiras.

De que empresas privadas provêm esses fundos? Dos mesmos fabricantes de vacinas que beneficiam de decisões oficiais como a adoptada em Junho de 2009 sobre a urgência pandémica da gripe H1N1.
À semelhança dos benfeitores da OMS, os grandes laboratórios têm as suas entradas em Genebra com direito a um tratamento de «portas abertas e carpete vermelha».
Há muito dinheiro em jogo, assim como redes de influência, carreiras e instituições inteiras! Bastou uma mutação de um dos vírus da gripe para vermos toda a máquina a pôr-se em marcha.»[



Não acha estranho que a OMS tenha modificado a sua definição de pandemia? A antiga definição falava de um vírus novo, de rápida propagação, para o qual não há imunidade e que provoca uma alta taxa de enfermos e de mortes. Hoje em dia, esses dois últimos parâmetros sobre as taxas de infecção foram suprimidas, e foi assim como a gripe A entrou na categoria das pandemias.

Muito judiciosamente, a OMS publicava em Abril de 2009 a nova definição de pandemia, mesmo a tempo para permitir à própria OMS, seguindo os conselhos provenientes, entre outros, do SAGE, do «Senhor Gripe» (aliás Albert Osterhaus) e de David Salisbury, de classificar de urgência pandémica vários casos benignos de gripe, rebaptizada de gripe A H1N1.


F. William Engdahl, é analista económico e político.
Tradução de João Manuel Pinheiro




Sem comentários:

Enviar um comentário