terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O herói Jasper Schuringa, um agente da CIA ?



Jasper Schuringa o mais recente herói americano que "salvou" os passageiros e tripulação do voo Amsterdão-Detroit deu uma intervista à CNN.
Quem é este estranho e providencial herói?
Muitos factos levam a crer poder tratar-se de um agente secreto.



















Análise de uma entrevista:

Atitude:



Durante toda a entrevista, além do ar um pouco arrogante, parecia nervoso para alguém habituado às câmaras. Jasper Schuringa é realizador.

Estranhamente, por duas vezes quis por um termo à entrevista com "eu não quero verdadeiramente falar disso" e "ok muito obrigado".

Utilizou sempre o termo "suspeito" para falar do terrorista. Surpreendentemente não trabalhando para a polícia fala como um polícia.

Na vespera, a CNN tinha afirmado que ele tinha ficado gravemente queimado nas mãos ao tentar apagar o fogo. O que vemos nesta entrevista é um indivíduo com um penso na mão e dois pensozinhos nos dedos. Apesar da queimadura recente, estas não o impedem de entrelaçar frequentemente as mãos, algumas vezes até com algum vigor.



Declarações:


"Quando vi que o suspeito pegava fogo, entrei em pânico, mas saltei por cima das cadeiras porque pensei que ele ia fazer explodir o avião". Curioso pensar que alguém que estava em chamas pudesse ser um terrorista e não um acidente.

"Agarrei no suspeito e com um membro do pessoal de bordo, levamo-lo para a zona de primeira classe, ai despimo-lo e algemamo-lo e verificamos se não tinha outras armas ou bombas". De onde vieram as algemas?

"Ele (o suspeito) parecia ausente. Tinha muito medo. Não sei. Mas eu não posso verdadeiramente falar disso". Além de um terrorista com medo, temos um herói que não pode falar, porquê?

"Ele (o suspeito) estava muito calmo". Nada habitual para alguém que está a arder!



Mais uma vez, a Al-Qaeda...


O pentrite, o produto utilizado pelo terrorista, já tinha sido usado por Richard Reid, o "homem do sapato" para fazer explodir um avião em 2001. Já então não tinha resultado. Qualquer terrorista sabe que é necessário uma subida subita da temperatura de 175ºC, o que só é possível com um detonador. Detonador esse, que nem um nem outro possuião!

Curiosamente, os média têm vindo a referir o Iémen como uma fonte de terroristas ligados à Al-Qaeda e prontos para executar atentados. Na véspera deste atentado falhado, a BBC difundia um texto com o título: "O Iémen, a nova fronteira da guerra do terror". Coincidências...

Quanto à Al-Qaeda, um especialista respondia, pouco depois do atentado, à pergunta "Devemos esperar a reivendicação de que Abdulmutallab pertença à AlQuaeda?". Resposta: "Dúvido, a Al-Qaeda nunca reivendica os seus falhanços". Um dia depois, a Al-Qaeda reivendica a autoria do atentado!

Desde os atentados do 11 de setembro que os serviços secretos americanos se esforçam para nos fazer querer que a Al-Quaeda é um grupo terrorista coeso e bem organizado que tem vindo a realizar inúmeros atentados em todo o mundo. Um antigo agente dos serviços secretos francês reformado, chegou mesmo a revelar que a Al-Quaeda não existe, nem nunca existiu, é uma invenção dos serviços secretos americanos para perpetuar o medo e justificar as medidas anti-terroristas.




Será que, mais uma vez, não estamos perante a montagem de um cenário de um atentado que nunca seria possível vir a acontecer, com a intervenção de um agente secreto que abortou assim uma simulação de atentado que estava previsto ser abortado?

O reforço das tropas no Afganistão com a queda da popularidade de Obama, a necessária presença dos americanos no Iraque para manter o controle do petróleo e das empresas americanas de reconstrução e a necessidade de controlar o islamismo do Iémen vizinho do governo pró-americano da Arábia Saudita, são as verdadeiras razões de mais um "atentado".


http://www.agoravox.fr/tribune-libre/article/de-victor-jara-a-guantanamo-la-67281

1 comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar