quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Mais um decapitado...

.




 



Está-se a tornar uma "rotina", mais um decapitado, pelo chamado "Estado Islâmico", só que desta vez trata-se de um cidadão francês, um simples montanhista na Argélia.




A rotina das decapitações.

O vídeo divulgado, sempre pelas mesmas fontes, desta vez é mais convincente: uma única câmara, um som mais "tosco". Já não temos a paisagem idílica do deserto e agora já temos vários intervenientes. Está melhor.


No entanto, a suposta vítima continua, como as outras, continua serena.


De notar que um dos "carrascos" durante toda a cena, não tem mais nada que fazer do que se absorver a ler um papel (guião?) até ao acto final.


Depois, mesma cena, quebra de imagem e visualização da cabeça do decapitado em cima da barriga do degolado, decididamente um fetiche.



Um mal global.

É importante estender o "Estado Islâmico" a outras regiões, o mesmo é dizer que se está a alastrar e que em breve ninguém estará seguro em qualquer lugar do mundo.


Basta conhecer o mapa petrolífero e as posições estratégicas que ocupam os países para saber onde os Estados Unidos e a Europa querem instalar as suas bases militares. 


Não se trata de lutar contra o terrorismo, esse faz parte da estratégia americana. O terrorismo não incomoda nada os Estados Unidos. Terroristas com mandados de captura por atentados contra civis estão neste momento em Miami sob a protecção dos americanos.
 
 
Considero a Argélia um país que irá ser punido porque não deixou que as suas riquezas ficassem totalmente nas mãos das multinacionais.


Tradicionalmente, as potências imperialistas tentam apoderar-se das riquezas dos países do terceiro mundo com simples pressões, colocando no poder presidentes servidores dos seus interesses. Quando esses seus interesses não são concretizados, não olham aos meios para os alcançar: chantagem, assassinatos encomendados, desencadeamento de guerras civis ou ataque puro e simples dos países não-dóceis. 




Um plano a longo prazo.

Uma verdadeira alteração do xadrez geopolítico está a acontecer no norte de África.
Após as "primaveras árabes" do Egipto, da Líbia e da Tunísia, o que está em causa são os dois últimos países ainda não tocados: Marrocos e Argélia.
Marrocos, a mais velha monarquia do mundo, encontra-se relativamente estável devido ao seu desenvolvimento e a mão de ferro do seu monarca. A situação da Argélia é bem diferente: um ditador doente, um país nas mãos das forças armadas desde há 50 anos e sobretudo um país cobiçado pelos seus recursos naturais.
 




Nota: Este blogue não defende, nem nunca defenderá, qualquer acção violenta e condenará sempre este grupo terrorista que não é representativo de qualquer ideologia muçulmana.







.




8 comentários:

  1. “Uma verdadeira alteração do xadrez geopolítico está a acontecer no norte de África.
    Após as "primaveras árabes" do Egipto, da Líbia e da Tunísia, o que está em causa são os dois últimos países ainda não tocados: Marrocos e Argélia.”


    Eu diria que na sua mente esta execução ja não hoolliwodiana pelos vistos, foi mais um pretexto para agir nesses paises, são tramados estes degoladores a mando da cia. No entanto não sabemos é se os outros paises arabes estão dispostos a vir ai lutar. Sendo assim a trama esta completa tem que ser o ocidente a faze-lo.

    Deixando de lado estas manigancias,ha de facto um interesse global economico mas não mundial politico, esse interesse global economico sempre existiu e uma historia tão velha como a da humanidade, o capitalismo tende a querer espalhar-se e querer controlar economicamente. mas ha outro interesse o politico e aqui isso não é verdade. Uma nova ordem mundial politica corresponde ao actual panorama internacional e as relações e disputas de poder entre estados nacionais e as suas relações de equilíbrio. Ou seja acabou o status quo existente até a queda do muro de Berlim, a guerra fria, a politica de blocos e a doutrina da coexistência pacifica brejeniana entre Eua Russia, e é na emergência deste contexto que o mundo deixou de ser considerado bipolar, recebendo novas designações, ainda não se assentou geopoliticamente em novas relaçoes de equilibrio, mas dai a ver um governo mundial ou uma nova ordem mundial a nivel politico, é só conversa.

    Todas estas mudanças que acabaram ou ditaram o fim da ex urss, do bloco socialista, como opositor a politica americana e ocidental levaram George H. Bush nos anos noventa a falar de uma nova ordem mundial, que teria por objectivo o fim da rivalidade entre soviéticos e americanos, levando a solidez de organizações internacionais como a NATO e a consolidação dos modelos de estruturação dos blocos económicos. As características que marcaram a transição da bipolaridade existente antes da queda do muro de berlim e a nova ordem mundial tem a ver com a mudança do padrão internacional de poderes. Ate ai o poder de uma nação era medido pela sua capacidade militar, em termos estratégicos e em recursos tecnológicos, era a chamada corrida armamentista a corrida espacial e a tentativa regional de conquistar aliados. Agora são os níveis de desenvolvimento económico determinantes para configurar as relações internacionais, embora o plano militar ainda exerça uma considerável influência. No entanto passamos de uma ordem bipolar entre EUA e EX-URSS do tempo da guerra fria e da queda do muro de berlim para um novo paradigma que reflecte ate agora uma ordem unipolar em que os EUA tem um poderio bélico que é absolutamente superior ao dos demais paises do globo terrestre. A russia que herdou a maior parte do volumoso arsenal sovietico não se sabe do seu estado e conservação uma vez que a tecnologia exige enormes custos de manutenção a um pais que nos anos 1990 estava em profunda crise econômico-social

    ResponderEliminar
  2. O senhor pode dizer que o seu post.

    “Este blogue não defende, nem nunca defenderá, qualquer acção violenta e condenará sempre este grupo terrorista que não é representativo de qualquer ideologia muçulmana.”

    Mas o que ele revela é um profundo anti-americanismo e eu diria mesmo anti ocidentalismo atroz, no entanto não deixa de ser engraçado que se temos a liberdade que temos e o mundo em que vivemos foi devido ao apoio dos estados unidos e não propriamente dos comunistas ou islamicos depois da segunda guerra mundial foi devido ao apoio alem atlantico que permitiu que a europa destruida surgisse como um milagre económico e de bem estar( o welfare state, que mais ou menos perdurou ate agora) e as destribuições aéreas pós final da segunda guerra livraram a europa da expansão do comunismo que se dedicava a construir muros, e numa europa que não tinha fabricas de pé nem dinheiro para investir foi graças ao plano marshall (e ajuda quer financeira que em produtos de um pais do outro lado do atlantico em pleno desenvolvimento e cujas fabricas e territorio não tinham sido atacadas e estavam em plena laboração) e ao rápido crescimento e recuperação da economia da europa ocidental que impediu o avanço das hordas russas, que mesmo assim tentaram conter as suas populaçoes restringidas a area que controlavam isoladas, construindo muros que so cairam nos anos 90, impedindo-as de saltar para o “paraiso”, tal como os islamicos que por muito mal que falem do ocidente todos os dias se afogam no mediterraneo para alcançar este “inferno” de perdição que é o ocidente.


    ResponderEliminar
  3. Fazer um exercico de colar os mapas dos conflitos, onde se sabe que os americanos/ingleses actuam as claras ou ecapotadamente com os mapa dos locais ricos em petroleo é um exercicio de sanidade que eu tambem apoio.
    Outro exercicio que recomendo é separar os actos do paleio seja de que capanga for- isto se se quer ter alguma sanidade: exemplo= o Hamas diz defender o povo da faixa de Gaza, certo? Os actos que tem praticado deram "justificação" para a destruição massiva da faixa de Gaza, certo? Se lhe pergunatrem o que fazia falat para se poder destruir mais uma vez a faixa de Gaza por quem tem força para isso(Israel) e poder fazer passar como defesa, o que Vexa respondia? Claro uma provocações que não fizessem muitos estragos em Israel, certo? Agora investigue o que fez o Hamas neste ultimos meses? Isso provocar com pseudo ameaças a "segurança" de Israel. Afinal separar o que se diz do que se faz na realidade até ajuda a pensar diferente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei a quem é dirigido o comentario mas eu respondo-lhe. O hamas é um grupo terrorista cujo objectivo é destruir israel e com o qual não é possivel haver paz. Ou seja esta dura ate o hamas se refazer dos ataques sofridos e estar novamente rearmado, daqui a 4 anos pode crer que pode continuar a bater nesta tecla, o seu exemplo é brilhante pelo seguinte o proprio hamas tem isso nos seus estatutos.

      É so ver os estatutos do hamas

      O Lema do Movimento de Resistência Islâmica

      Art. 8º Alá é a finalidade, o Profeta o modelo a ser seguido, o Alcorão a Constituição, a Jihad é o caminho e a morte por Alá é a sublime aspiração.

      Israel existirá e continuará existindo até que o Islã o faça desaparecer, como fez desaparecer a todos aqueles que existiram anteriormente a ele. segundo palavras do mártir, Iman Hasan al-Banna, com a graça de Alá

      Art.6º O Movimento de Resistência Islâmica é um movimento palestino distinto, que é leal a Alá, adopta o Islão como modo de vida e se dedica a levantar a bandeira de Alá sobre cada centímetro da Palestina. Sob as asas do Islão, seguidores de outras religiões podem todos viver salvos e seguros em suas vidas, propriedades e direitos; porque na ausência do Islão, a discórdia surge, a injustiça se espalha, a corrupção brota, e acabam existindo conflitos e guerras.

      E depois um movimento que se diz defender os interesses do povo palestino e escava tuneis por todo o lado para atacar o inimigo e provocar este, o senhor acha que israel deve na bonomia ficar quietinho porque os danos que sofeu não se comparam aos que provocou ora batatas, qualquer pais tem o direito de defender-se. E a propaganda das escolas da onu onde escondia material, o lançamento de misseis desses edificios e junto a jornalistas para evitar os ataques de israel é um tactica covarde mas que não resulta contra israel.

      Quanto ao ocidente ter mapas correspondentes com zonas de recursos petroliferos ainda bem, já aqui debati esse tema dos recursos e ainda bem pois é preciso que essa fonte de energia não seja usada contra o ocidente como uma arma, atacando as nosssas economias e bem estar, suponho que o senhor usa e beneficia dessa fonte de energia, so me congratulo com quem luta por isso e da qual eu beneficio.

      Eliminar
  4. Isto, de tão ridículo que se está a tornar...

    A vontade que dá, é de fazer também vídeos com encenações mal feitas, a gozar com tudo isto...

    Mas, como quando os média dizem alguma coisa, talvez 90% das pessoas acreditam, imediatamente, no que ouvem, sem questionar o que quer que seja, o problema é que quase ninguém iria, por isso, achar piada a tais vídeos.

    ResponderEliminar
  5. Olá Octopus!

    Isto de "cortar" cabeças hoje em dia está à distância de uns cliques!

    Vê lá estes bacanos a brincar

    E se dois adolescentes o fazem! Imagina o que a ISIS (Israeli Secret Intelligence Service) com toda a tecnologia e dinheiro pode fazer!

    O que importa é MATAR e DESTRUIR os povos/países que por azar (deles) e sorte (nossa) têm recursos energéticos e minerais para nos proporcionarem esta BELA VIDINHA DE LUXOS!

    Abraço
    VOZ

    ResponderEliminar
  6. Um importante autor, de renome internacional, que também não engole as histórias das supostas decapitações:

    http://www.youtube.com/watch?v=j5OYeBQdrFE#t=2m11s

    ResponderEliminar
  7. E, um interessante artigo, do mesmo autor que mencionei há duas semanas atrás - no comentário acima - em que este denuncia, entre outra coisas, que a suposta irmã do primeiro "decapitado", que apareceu nos noticiários a contar tangas, para ajudar a construir a falsa história, é uma actriz já experiente neste tipo de engodos:

    http://journal-neo.org/2014/10/06/is-former-israeli-idf-officer-behind-fake-videos-of-foley-and-other-beheadings/

    ResponderEliminar