quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Vacina contra o tétano: obrigatória mas inútil?



Numa altura em que a vacinação parece ser cada vez mais uma panacea para todas as doenças, um balanço deve ser feito quanto á obrigatoriedade da vacina contra o tétano.

Esta doença representa, em Portugal, menos de 20 casos anuais. Desde o seu mecanismo de acção, da sua real eficácia, até aos seus efeitos secundários, muitas dúvidas existem...



Incidência do tétano.


O tétano é uma doença grave, provocada pela exatoxina do bacilo anaerobico do Clostridium tetani. São os esporos que se encontram no solo que penetram no nosso organismo através de uma ferida.


O tétano atinge cerca de 1 000 000 de pessoas por ano em todo o mundo, sendo a sua mortalidade de 10 a 50% nos adultos. O tétano neonatal atinge 200 000 crianças a nível mundial, sendo a sua mortalidade de cerca de 90%, esta última exclusiva dos paises subdesenvolvidos (África, Sueste Asiático e em menor grau América du Sul)




O tétano é extremamente raro nos países ocidentais.


No ocidente, 80% dos doentes têm mais de 70 anos de idade, e atinge sobretudo as mulheres (70%).



Uma vacina que não protege?



A vacina não oferece nenhuma protecção contra a bactéria, que não apresenta qualquer risco, mas sim contra a sua toxina. A vacina é a forma inactiva da molécula dessa toxina, que prepara o organismo a fazer frente a uma eventual doença através da produção de anti-toxinas.

Esta vacina tem sido muito contestada. Os seus detratores sugerem que, as toxinas do bacilo nunca poderão encontra-se com as anti-toxinas da vacina, dado que estas deslocam-se no plasma sanguíneo, enquanto que as toxinas servem-se dos nervos para se deslocarem. Na realidade para atingirem os nervos, a toxina viaja por via linfática e sanguínea.


Foi sugerido que os homens estariam melhor protegidos por ter efectuado uma vacinação durante o serviço militar. Esta teoria perece absurda, dado que, assim sendo, estes ainda estariam protegidos 50 anos mais tarde. Não percebemos, assim sendo, porque é que a vacina deve ser renovada de 10 em 10 anos.


Causas para a diminuição de casos...


Como já foi dito, o tétano atinge sobretudo os países em via de desenvolvimento por falta de higiene durante o parto, nomeadamente quando do corte do cordão umbilical.

Vários estudos apontam para uma menor incidência de tétano nos indivíduos vacinados. Uma lista de vários paises africanos, num estudo publicado pela Organização Mundial de Saúde, mostra claramente a menor incidência de tétano neonatal nas mulheres vacinadas, com uma relação de 1 para 10 em relação ás não vacinadas.

Muitos médicos acreditam que esta diferença poderá ser devida á melhoria das condições de higiene e á formação das parteiras. Formação esta que acompanhou os programas de vacinação em África.

http://www.who.int/vaccines-documents/DocsPDF07/869.pdf




Uma vacina não isenta de efeitos secundários...


Apesar de ser uma doença grave, 50% dos casos, no adulto curam, na sua maioria expontâneamente.

Os efeitos secundários pós-vacinação são númerosos. Este vão desde de uma reacção cutânea local com dor (mais de 50% dos vacinados) até neuropatias transitórias e, mais raramente, síndromes neurológicos graves como o síndrome de Guillain-Barré.

Porquê sujeitar-nos a uma vacinação, quando na Europa os casos de tétano são extremamente raros.
Em França, como em Portugal, são da ordem de uma vintena.


O mais curioso é que são os paises onde a vacinação é o menos praticada que apresentam as mais baixas incidências de tetano.


Os dois paises europeus com o maior número de casos, são a França e Portugal, os dois únicos países onde a vacinação anti-tetânica é obrigatória!

http://www.destinationsante.com/Le-tetanos-tue-toujours-en-France.html


Porquê a obrigatoriedade da vacina anti-tetânica?



O tétano não é uma doença contagiosa, não é uma doença imunizante, isto é, o facto de um indivíduo ter contraído a doença, não significa que fique protegido. Então como explicar que uma vacinação a possa proteger?

Perante a baixa de incidência de tétano em Portugal, quais os critérios que fazem dela uma vacina obrigatória?

Não sendo contagiosa, a decisão da vacinação deveria ser uma decisão individual.

http://www.informationhospitaliere.com/dico-76-tetanos.html

http://questionvaccins.canalblog.com/archives/tetanos/index.html

http://actionsantelibertes.blogspirit.com/archive/2006/10/04/les-dix-plus-gros-mensonges-sur-la-vaccination.html

http://www.ifmt.auf.org/IMG/pdf/Tetanos-MS-2.pdf

http://www.drdesforges.com/smartsection+item.itemid+9.htm

21 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. nenhuma vacina é obrigatória em Portugal... Isso seria anticonstitucional. As vacinas que estão no plano nacional de vacinação como é o caso da anti-tetanica, não são obrigatórias, apenas sugeridas como as mais apropriadas.

    ResponderEliminar
  3. Quando queremos inscrever um filho numa escola, a primeira coisa que pedem é o boletim de vacinas das quais faz parte o BCG, geralmente administrado na primeira semana de vida. Eta é obrigatória, por exemplo em França. As únicas vacinas obrigatórias em POrtugal é para o tétano e a difteria (informação da Direcção-Geral de Saúde).

    ResponderEliminar
  4. Segundo alguns sites que andei a consultar, deu-me a entender que nenhuma vacina seria obrigatória. No entanto, se optar pela não vacinação, teria que se assinar um termo de responsabilidade, que poderia ser apresentado na escola. Isto é verdade? É possível a escola aceitar este documento?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Si, é verdade. Nenhuma escola pode obrigar os pais a vacinarem os filhos. Nenhuma vacina é obrigatória. Isso seria anticonstitucional como alguém já aqui disse. O que acontece é que as escolas vão pedindo e as pessoas vão apresentando o boletim.

      Eliminar
  5. O actual Programa Nacional de Vacinação, processo que começou a ser implementado em Portugal em 1965, entrou em vigor em 2006.
    Há uma lei de 1962, que nunca foi revogada, em que apenas são obrigatórias as vacinas contra o tétano e contra a difteria". No entanto, Graça Freitas, Subdirectora da Direcção Geral de Saúde, acrescenta que "quem recuse uma vacina do PNV tem de assumir essa responsabilidade". Nos centros de saúde, os profissionais têm instruções para informar os pais da importância das vacinas. Se houver recusa, há um termo de responsabilidade para assinar. De qualquer forma, a Direcção-Geral de Saúde tem poder de tornar uma vacina obrigatória, caso haja uma doença grave que reapareça.

    ResponderEliminar
  6. Tomei há dois dias e o meu braço está "a cair". Tenho formigueiro nas pernas, fraqueza geral e tonturas.

    Doi pra caralh*!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vc fala isso pq nunca se depilou :P mas eu vou tomar mesmo assim,fazer oq? Minha mãe fala que não dói,É ÓBVIO QUE PRA ELA NÃO VAI DOER PQ ELA NUNCA TOMOU E A PESSOA QUE VAI TOMAR AQUI SOU EUU SAAABE?

      Eliminar
  7. Os 'profissionais ' nos centros de saúde podem , e normalmente são, muito desagradáveis para quem recuse uma vacina. Tenho quatro filhas e a última não tem uma única vacina, claro, com esta , nunca ponho os pés no centro da saúde ! Para os pais que tem dúvidas sobre a eficácia/necessidade das vacinas no PNV, devem estar preparados, não é fácil contradizer más isso não quer dizer que estáo errados. O BCG é só um exemplo duma vacina desnecessária, deviamos questionar também as vacinas múltiplas, sou a única pessoa que acha 5 vacinas numa dose brutal, no fundo, 5 toxinas no corpo frágil dum bébé ? Qual é o problema com as vacinas únicas ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A sua ultima filha nem a BCG no dia que nasceu tambem nao levou?
      esta saudavel sem problemas de saude?
      Como faço para que no hospital na dê nada de vacinas quando tiver um filho?

      Eliminar
    2. O que eu aconselho às pessoas que têm duvidas sobre as vacinas, é que se informem, não com notícias sensacionalistas mas com artigos científicos sobre Imunidade, consultem as Sociedades Médicas de Doenças Infecciosas e de Pediatria, organizações como OMS...etc
      INFORMEM-SE!!!!
      Um pouco de História das doenças infecciosas que mataram milhões e milhões de pessoas e como se conseguiu erradicar doenças da face da terra como a varíola.
      Para depois não acontecer como aquele casal espanhol defensores da anti-imunização, que há pouco tempo ficaram sem o filho que contraiu difteria por não estar vacinado.
      E também pq estão a surgir surtos de sarampo em alguns países europeus!!!

      Eliminar
  8. uaau que mara cara ! amei adoguei

    ResponderEliminar
  9. concordo com o penultimo comentario, nos centros de saude são muito grosseiros com quem se nega a tomar a dita vacina. Somos coagidos a tomala. Os sintomas são horríveis.

    ResponderEliminar
  10. onde está escrito na constituição que não somos obrigados a tomar vacina

    ResponderEliminar
  11. informação tirada de www. vacunacionlibre.org
    A vacina do tetano foi inventada por um veterinário em 1923, Gastor Ramón no instituto de Lois Pasteur, e foi aprovada a partir de uma ÚNICA experiência feita com 12 coelhos, desde essa época até hoje não forom feitos nenhum estudo que prove sua eficacia, como a doença não é imunizante, a vacina não pode ser mais imunizante, pois a doença estimula mais a producção de anticorpos que qualquer vacina, não é uma doença contagiosa, não é imunizante ou seja quem apanha a doença pode voltar a doeçer.
    Apanha-se a doença se houver uma ferida profunda contaminada com a esporos da bácteria, então a melhor protecção é lavar bem a ferida com água oxigenada, pois a bacteria não sobrevive se estiver em contato com o oxigenio, fazer sangrar a ferida, pois o sangue também tem oxigenio, durante o parto pode haver tetano se a mulher parir em cima da terra (Africa), ou se cortar o cordão umbilical com uma tesoura contaminada.
    Na segunda guerra mundial os exercitos vacinados morriam mais de tétano que os exercitos não vacinados, isto porque a própria vacina tem como efeito secundário producção de tétano pósvacinal, portanto não é eficaz.`
    É uma doença que tem tratamento.
    Ninguem sabe por quanto tempo dura a imunidade ou se existe alguma imunidade.
    A doença é muito rara na Europa, mas aparece nas pessoas que estejam vacinadas ou não.
    Porque a industria farmacêutica não publica estudos cientificos monstrando a eficacia da vacina???? porque os médicos aceitam recomendações cegamente sem questionar???

    ResponderEliminar
  12. Apesar de este “artigo” já ter alguns anos, entristece-me tanta é a “desinformação” contida nele! Temas desta natureza apenas devem ser lançados e discutidos se, e só se, houver profundo conhecimento, rigor científico e acima de tudo, responsabilidade. Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  13. Concordo com o ultimo comentário e dizer que lendo o Anónimo23 de Novembro de 2010 às 05:52, apenas lamento a pobreza de espírito em se gabar que tem um filho sem vacinas.
    Grande redução da mortalidade infantil e na adolescência deve-se à vacinação, sendo certo que não está isenta de efeitos secundários, mas colocar todas as vacinas em causa é o mesmo que dizer que não tomar banho protege... Pior do que um ignorante é um que se julga esperto.

    ResponderEliminar
  14. Resposta ao ultimo comentario:
    Se a água do banho estiver contaminada , sem que se saiba, sim ,é melhor não tomarmos banho até termos a certeza do que se trata e de que esta seja descontaminada, ou se existir outra alternativa, á água do banho.
    Sou profissional de saude, vejam só as diferenças que existem em termos de pnv dos paises nordicos, com o pnv Português.
    Na ultima "pandemia" da gripe suina, quantos profissionais de saude se vacinaram nessa altura!!!
    Resposta ao penultimo comentario:
    "Vaccination, Social Violence and Criminality"
    autor- Dr. Harris Coulter, historiador médico .
    Dra. Scheibner , "Vaccination, the Medical Assault on the Immune System”
    autor- Dra. H. Scheibner .
    Fique bem sentadinho durante muitas centenas de anos , á espera que a industria farmaceutica lhe mande informação sobre os efeitos secundarios das suas vacinas, que por sua vez as levem á falência e a ter de compensar as vitimas. Sim , espere bem sentadinho, tá bem!!!!!!!
    Não sou a favor do pnv, mas algumas das vacinas podem ser importantes em determinadas alturas ou situações.

    ResponderEliminar
  15. Que post mais ridículo.

    Para quem tiver dois dedos de testa, será possível chegar á conclusão que os países e regiões onde se fazem essas vacinas não tem casos quais nenhuns enquanto que noutras partes do mundo, onde a prevenção não existe, o tétano está mortalmente presente.

    A vacina funciona comprovadamente sem margem para opiniões e debates. Quem tenta dizer o contrário não passa de um ignorante que deveria ser internado por deficiência mental ou preso por propaganda que põe em risco a saúde pública.

    Se uma criança apanhar tétano por o pais se terem recusado a administrara a vacina, estes últimos merecem ser castigados por maus tratos infantis.

    Certas vacinas são de facto questionáveis. A da gripe é um exemplo. O tétano, por outro lado, que até era comum em Portugal antes da vacinação, é essencial pois esta doença está sempre potencialmente presente e não existe por fazes e com flutuações.

    ResponderEliminar
  16. Desculpem, estar a desenterrar este tópico, mas não me convém-se que a vacina militar, que era ou é administrada é simplesmente uma vacina anti tétano, mas sim um kocktail qualquer, pois nenhuma vacina anti tétano evita o que aquela evita.
    Experimentem uma vacina anti tétano e depois façam uma vida militar ou idêntica, roupas molhadas dia e noite no corpo, frio, gelo, calor extremo, alimentação deficiente e não fiquem doentes, nem uma leve constipação,

    ResponderEliminar
  17. O único problema das vacinas é funcionarem tão bem. Dão assim a ilusão de que não é preciso vacinar.

    Ter um/a filho/a não vacinado devia ser punido como abuso infantil.

    ResponderEliminar