terça-feira, 26 de maio de 2009

Somália: Os Piratas de ... Hollywood.



Crianças famintas e esqueléticas, esta é a imagem que a maioria das pessoas tem da Somália dos anos 80. Agora, após vários anos dos lutas internas, surgem nos nossos ecrãs ataques de piratas bem armados e organizados, como que saídos de um filme. A NATO tem de enviar vários navios de guerra para proteger as cargas preciosas que frequentam a zona. Petróleo e posição geoestratégica fundamental são o motor destes estranhos episódios.





Somália um país...rico!



Todos nós nos habituámos a ver a Somália através dos "media" com crianças a morrer de fome. Nem sempre foi assim. Nos anos 70 a Somália era práticamente auto-suficiente. Mas sob o regime de Mohamed Siyad Barre durante a guerra de Ogaden com a Etiópia, a Somália desgastada, ficou dependente, em 1984, da ajuda internacional ("arroz para a Somália"). Este perde o poder em 1991 e desde então a Somália vive sem regime politico.


O que muita gente não sabe é que Somáli é um país rico em...petróleo.


É simples, cada vez que existe um conflito, antes de mais devemos que saber se esse país possui petróleo. Este é a base da maioria das guerras actuais. É verdade para Timor, para o Darfur, ect.


A Somália também é rico em gás natural, urânio, ferro e cobre.


Em 1986, as companhias petrolíferas Amoco, Conoco, Chevron e Philips obtiveram os direitos de

exploração de 2/3 do território da Somália. Esta exploração foi interrompida em 1993 por causa da guerra. Por sua vez as companhias petrolíferas Canmex (Canada) e sobretudo Range Resources (Australia) obtiveram, em 2005, exclusividade de exploração dos recursos naturais, em 50,1%, da região do Puntland. A França com Total tambem está no país. A China, já presente na economia da Somália gostaria de entrar nesse mercado apetecível. a par da sua presença no vizinho Sudão.





Uma guerra sem fim à vista.




Em junho de 2006, os "senhores da guerra" foram derotados no sul do país, pela União dos Tribunais Islamicos (UTI), instalando um regime politico islâmico e começando as negociações para a criação de um governo federal de transição. A Etiópia sempre ajudou os "senhores da guerra" contra a UTI.


Alguns meses mais tarde, em dezembro de 2006, as forças armadas da Etiópia põem fim a este processo complexo de tentativa de reunificação.




Como é óbvio, a reconciliação da Somália com a instauração de um governo islâmico era prejudicial aos interesses dos Estados Unidos.


Nesta guerra a Etiópia foi apoiada militar e financeiramente pela América, que também financiava os "senhores da guerra" contra a UTI considerada ligada ao terrorismo de Al Qaida. Decididamente, o pretexto da luta contra o terrorismo serve para explicar todos actos dos USA.


http://www.europe-solidaire.org/spip.php?article4758


Portanto, actualmente temos os islâmistas armados pelo Egipto, a Eritreia, o Irão, a Líbia, a Arábia Saudita, a Síria e a milícia xiita libanesa do Hezbollah. E por outro lado, o frágil governo provisório (inicialmente com sede em Baidoa, conquistada no dia 26 janeiro 2009, pela UTI) armado pelo Uganda e a Etiópia através do Estados Unidos.

http://www.leblogfinance.com/2006/11/somalie_les_isl.html





A Somália na rota do petróleo.



A Somália encontra-se numa posição estratégica, no chamado "Corno de África", domina os corredores marítimos do Mar Vermelho e do Golfo de Aden. Grande parte dos petroleiros e comercio marítimo passa por aí.


É bom recordar que a Somália foi invadida durante décadas por barcos de pesca ilegais estrangeiros que arruinaram os pescadores locais.


Foi poluida pelos despejos de contentores com matérias tóxicas duente anos, contribuindo para o aumente de vários tipos de cancros.


O método do "sea-drop" custa apenas 3 Dólares por tonelada, enquanto que na Europa a sua reciclagem fica em 1 000 Dólares!





A quem aproveita realmente a pirataria?



Muita gente não compreende como é que "pescadores" pobres se tornaram piratas, bem armados, bem organizados, escolhendo os barcos alvo, parecendo até conhecer bem o interior dos navios conquistados.


http://www.aminata.com/component/content/article/56-internationale/4864-qui-profite-reellement-de-la-piraterie

Segundo um documento militar Europeu, obtido pela estação de rádio espanhola Cadena SER, os piratas recebem de Londres informações precisas sobre os alvos a atacar.



Pelo menos uma das companhias de navegação atacada refere contactos permanentes entre os piratas e Londres. Numerosos comandantes de navios atacados já tinham referido que muitos dos piratas conheciam perfeitamente a estructura do barco atacado e os seus portos de escala.


A existência desta estranha pirataria do século XXI, permite a instalação permanente ao largo da Somália de uma força militar da NATO, teóricamente para salvaguardar os navios que por lá passam. A ideia é voltar a controlar os recursos naturais da Somália e dominar as grandes rotas do petróleo e das mercadoria que transitam por esta via marítima, ficando também instalados perto de uma eventual (futura) zona de conflito com vigilância apertada ao Irão.

http://www.guardian.co.uk/world/2009/may/11/somalia-pirates-network

http://www.guardian.co.uk/world/2009/may/11/somali-pirates-london-intelligence

Sem comentários:

Enviar um comentário